27 fev 2014

Visita de executiva chinesa estreita relações internacionais entre países

Da esquerda para a direita: Wendy Lai, Mario Pinto, Paraskevi Bessa-Rodrigues e Thelma Ribeiro

Em sua primeira visita ao Brasil, a gerente geral de educação executiva do Instituto de Negócios Ásia-Pacífico da Chinese University of Hong Kong (CUHK), Wendy Lai, participou de uma série de palestras no Rio de Janeiro e em São Paulo, onde falou sobre as relações comerciais entre o Brasil e a China e a diferença entre os dois países.

O FGV Management a recebeu na última sexta-feira, no Rio de Janeiro. A CUHK é parceira da FGV desde 2002, no OneMBA, e é uma das instituições internacionais parceiras do Instituto de Desenvolvimento Educacional (IDE) da FGV desde 2010.

A representante da universidade chinesa foi recebida pelo diretor-executivo da Rede Management, Mario Pinto, pela coordenadora internacional da Rede Management, Paraskevi Bessa-Rodrigues, e pela diretora da Strong – conveniada da FGV em Santos, Santo André, Osasco e Alphaville –, Thelma Ribeiro.

Segundo Lai, a visita é importante para demonstrar o apreço da CUHK pela parceria com a Fundação Getulio Vargas. “Estamos buscando entender as diferenças entre os dois países (China e Brasil), envolvendo lideranças e representações diplomáticas, para compreender o que podemos oferecer em termos de programas e aumentar nosso conhecimento sobre o país”.

De acordo com a executiva, a aproximação também é importante para mostrar às empresas brasileiras atuantes em Hong Kong o compromisso das duas instituições com o mercado.

Para Thelma Ribeiro, diretora da Strong – parceira da Fundação no convênio com a CUHK –, a visita de Wendy Lai é um importante passo na aproximação com a instituição asiática. “Com um mundo globalizado, essa troca de conhecimento e informação é vital para o desenvolvimento de qualquer organização ou país. É importante porque nossos parceiros visualizam a realidade brasileira e entendem o nosso modelo de negócio junto à FGV”.

Segundo ela, o módulo internacional em Hong Kong – que trata do ambiente de negócios na China atual – é procurado por profissionais com maior experiência internacional. “Em geral, são diretores ou executivos em cargos equivalentes, que estão cursando ou já cursaram o MBA em Gestão Empresarial, e têm média de idade de 38 anos”.

Para Wendy Lai, as diferenças de estilo entre os estudantes brasileiros e chineses impressionam positivamente os asiáticos. “Como alunos, os brasileiros são apaixonados, amigáveis e fazem amizades rapidamente. Isso faz com que queiramos dividir mais com eles, pois eles demonstram que estão gostando do que ouvem e se interessam. Eles gostam das aulas”, diz a executiva da CUHK.

Ela relata, ainda, que os brasileiros afirmam “nunca terem dormido tão pouco” quanto durante o módulo internacional em Hong Kong. “Mas eles também conseguem se divertir e aproveitam a vida noturna de Hong Kong, que é bem agitada”, acrescentou Lai, que também fez palestras sobre mercados internacionais e a China em São Paulo, Santos.

O último compromisso foi ontem, na ESAGS-Strong de Santo André, onde falou para uma plateia interessada e participativa. Todos fizeram doações para participar do evento. Tudo que foi arrecadado será doado ao Núcleo de Apoio à Criança Madre Teresa de Calcutá, que fica no Jardim Santo Antonio. Foram coletados 28,5 kg de alimentos não perecíveis e R$ 220,00 em dinheiro.

Na palestra realizada ontem (24) na ESAGS-Strong da Baixada Santista foram recolhidos 30 quilos de alimentos e R$140,00, que serão doados à instituição Prato de Sopa, que atende moradores de rua.

Para saber mais sobre os programas e parcerias internacionais da Strong é só acessar o link http://www.strong.com.br/Internacional

Com informações de FGV Management

Deixe seu comentário