04 dez 2013

ESAGS está na elite do ensino superior no Brasil

Entre mais de 2 mil instituições de ensino superior avaliadas pelo MEC, apenas 23,8 conseguiram a nota máxima no IGC. E a ESAGS Baixada Santista é uma das melhores do País, com nota 5.

 A Escola Superior de Gestão e Administração da Baixada Santista (ESAGS) atingiu nota máxima no Índice Geral de Cursos Avaliados da Instituição (IGC), segundo dados a serem divulgados nos próximos dias pelo Ministério da Educação, em Brasília.

A ESAGS, que já teve acesso aos dados, obteve nota 5, ou seja, alcançou o grau maior de excelência entre as  2.171 instituições avaliadas (universidades, faculdades e centros universitários).

Só para se ter uma ideia do que isso significa, apenas 1,1% do total ficou com nota 5, ou seja, a ESAGS está no seleto grupo das 23,8 melhores instituições de ensino do País.

“São poucas as instituições no Brasil que chegaram a esse nível 5, que é o nosso maior nível de excelência”, afirmou o ministro da Educação Aloizio Mercadante.

Para o presidente da mantenedora Strong, professor Sergio Tadeu Ribeiro, o sucesso do desempenho da ESAGS Baixada Santista está no ensino de qualidade aliado ao incentivo à pesquisa e comprometimento com os estudos e tarefas.

“Temos a função de gerar conhecimento por meio da excelência em pesquisa acadêmica e de cursos de graduação do mais alto nível de qualidade, como é o nosso curso de Administração ministrado na unidade Santos”.

Ele ressaltou a importância da avaliação realizada pelo MEC.

“É muito importante receber a nota máxima 5 pelo Ministério da Educação. Ela consolida a ESAGS-Strong como uma instituição de excelência nacional, entre as mais reputadas e influentes do Brasil. Isso só nos dá a certeza de que estamos no caminho certo. Nosso desempenho é fruto de muito trabalho de professores, alunos e direção. Gerar competência para os estudantes utilizarem o conhecimento é nossa missão”, afirma Sergio Tadeu.

Entenda o IGC

O IGC é um indicador de qualidade de instituições de educação superior, que considera a qualidade dos cursos de graduação e de pós-graduação (mestrado e doutorado).

O índice tem notas de 1 a 5 (o MEC considera insuficiente qualquer conceito abaixo de 3). O IGC leva em conta a avaliação dos cursos das instituições do último triênio.

Assim, em 2012, segundo dados do MEC, 17,2% das instituições ficaram abaixo da média. Na comparação com 2009, quando foram avaliados os mesmos cursos, este índice era de 32,7%.

O número de instituições com índice satisfatório (nota 3) subiu de 44,3% em 2009 para 57,8% em 2012. Com nota 4 também houve uma melhora, de 5,8% em 2009 para 14,5% em 2012. Já com o índice máximo (nota 5) houve ligeira queda, de 1,2% em 2009 para 1,1% em 2012.

ESAGS-Strong é nota 5 também no curso de Administração

O IGC é o último estágio de uma série de índices, entre eles o Conceito Preliminar de Cursos (CPC), cujos dados também foram divulgados hoje pelo MEC. O CPC avalia os cursos de graduação tendo como base o Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade).

Como o curso de Administração da ESAGS Baixada Santista obteve nota 5 no Enade, garantiu também nota máxima (5) no CPC.

Foram analisados 8.184 cursos de 1.762 instituições. As notas variam de 1 a 5. No total, 0,2% das instituições obtiveram nota 1, 11,8% nota 2, 48,4% nota 3, 21,7% nota 4 e 1,5% nota 5.

Vale ressaltar que a composição do CPC tem três pesos: notas do Enade (55%), titulação dos professores e ao seu regime de trabalho (30%) e infra-estrutura e instalações (15%) e organização didático-pedagógica da instituição (15%).

Deixe seu comentário